quinta-feira, 8 de dezembro de 2011 | |

Félix tenta escamotear a verdade

O prefeito afastado Silvio Félix (PDT) tem todo o direito de falar o que bem entender para se defender – e defender sua família - da acusação de suposto enriquecimento ilícito. Só não deve, para isso, recorrer a expedientes que já usou no passado, como o da mentira (ou melhor, do escamoteamento da verdade) para tentar ludibriar a opinião pública.

Isto não pega bem para um prefeito (ainda que afastado) nem para alguém que tenta se defender. Qualquer pessoa minimamente entendida das leis desmonta seus frágeis argumentos.

Em nota publicada nesta quinta-feira nos jornais da cidade, Félix diz que “dezenas de pessoas tem (sic) patrimônio igual ou maior, bem maior que o da minha família”. Não se trata disso, não é isso que está em questão exatamente. Em nenhum momento o Ministério Público questionou o fato de alguém ser rico, bem sucedido na vida. O que se questiona é um possível enriquecimento ILÍCITO – e isto é contra as leis.

Félix cita também que “dezenas de policiais invadiram” a casa dele. MENTIRA! Os policiais detinham mandados de prisão e mandados de busca e apreensão. Estavam, portanto, com respaldo da lei, cumprindo um dever legal.

O prefeito afastado afirma ainda que, durante a ação que resultou na prisão de seus familiares, a imprensa já estava esperando, “rede nacional de TV já sabendo duas semanas antes”... Meia verdade. Na casa dele, se houve, foi apenas uma emissora de TV. Todas as demais, inclusive a empresa onde trabalho, só souberam da operação durante o seu curso.

Ainda segundo o prefeito, “criaram todo um clima político na Câmara. Diziam que eram populares que lá estavam, mas eram grupos organizados”. Ora, ora, acho que Félix não tem andado pela cidade nos últimos dias para ouvir a opinião da população...

O mais grave, porém, é o fato do prefeito afastado dizer que, no caso da família dele, “houve prisão sem que ninguém ao menos tivesse sido ouvido”. Félix bem sabe, já que sempre posou de conhecedor de todas as coisas, que a prisão a que seus familiares foram submetidos durante cinco dias é um tipo ESPECIAL destinado justamente a não atrapalhar as investigações. Logo, ninguém tinha que ser ouvido antes. Tudo foi feito absolutamente DENTRO da lei. Tanto que o próprio Tribunal de Justiça manteve a decisão de primeira instância.

A prisão temporária serviu para que os investigados não sumissem com documentos ou importunassem eventuais testemunhas. Falar, portanto, em “prisão arbitrária” é desconhecer a lei e tentar jogar a população contra o Judiciário. Félix tem todo o direito de considerar as prisões injustas, não ilegais.

Félix reclama também de ter sido afastado do cargo sem direito de defesa. Ora, é exatamente o que prevê a lei. Afasta-se o acusado para poder INVESTIGAR. Ele não foi condenado a nada. Tanto que continua prefeito, afastado, mas ainda prefeito. Portanto, mais uma vez, é tentar escamotear a realidade falar em falta de direito de defesa.

Aliás, ele acabou de ganhar um prazo de dez dias para sua defesa prévia antes que qualquer outro ato seja feito pela Comissão Processante aberta no Legislativo.

Afastar o prefeito é uma medida preventiva para evitar qualquer tipo de coerção (em tempo: ouvi de um vereador que a pressão oriundo de aliados do prefeito afastado está mutíssimo forte sobre os membros da comissão que analisa o caso).

Por fim, Félix reclama que a votação de seu afastamento na Câmara “não durou mais que duas horas” e que foi uma “decisão totalmente política”. De fato, tratando-se de uma casa de entes políticos, não se podia esperar outra coisa que não uma decisão política. Aliás, como política foi também a decisão de praticamente sepultar a CPI da Merenda e tantas outras apurações ao longo dos últimos sete anos. Assim é o Legislativo, assim é a política.

Quanto às duas horas, trata-se de detalhe irrelevante para o caso.

Félix tem todo o direito de falar o que bem entender para se defender, mas é melhor buscar argumentos mais consistentes da próxima vez.

1 comentários:

Danilo Fernandes disse...

É isso mesmo Rodrigo, assim fica bem claro o que houve de verdade e não a "conversa fiada" que ele mandou publicar nos jornais... quem lê o texto fica até com dó do infeliz, acha realmente que ele é um coitado, agora quem realmente vive em Limeira, e já estava desconfiado de tanta palhaçada, sabe bem que as coisas não são bem assim... se ele tem tanta convicção de que esta certo e não deve NADA, é tudo muito simples, basta PROVAR... AH, com relação a bíblia, PARA VAI, não me venha com hipocrisia, deveria ter lido "ela" melhor antes.