quinta-feira, 31 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Escritos noturnos

Por vezes ainda me pego
Na solidão da madrugada fria
A sonhar o sonho impossível
A desejar o indesejável
A ver o invisível.

Na solidão da madrugada fria
Todos os temores se apresentam
Revelam-se com força 
para abalar um ser intrépido.
São como fantasmas que vêm e vão,
vêm e vão, vêm e vão...

Tento, pois, lutar a luta invencível
O sonho impossível
Um tormento. 
Um lamento.
Um por que sempre sem resposta
Na solidão da madrugada fria.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Um outro jornalismo possível

Andei relendo alguns materiais antigos e encontrei uma edição do “Philadelphia City Paper”, de setembro de 2009. Trata-se de um jornal diferenciado, que foca em dicas de lazer e entretenimento e traz grandes reportagens. A matéria principal da edição do dia 9 – intitulada “No justice, no peace” – abordou a experiência de um jornal alternativo chamado “The Defenestrator”.


A publicação alvo da reportagem é de cunho anarquista. Isto, no país mais capitalista do mundo, soa como uma aberração, uma desconformidade. Sob um determinado ponto de vista, claro. Porque, sem dúvida, trata-se de uma experiência rica e inovadora. Um jornal feito pela comunidade, sem foco mercadológico, discutindo temas de interesse da comunidade – questões que geralmente passam alheias à chamada “grande imprensa”, seja por uma visão obtusa ou por falta de interesse mesmo.

Não conhecia o “City Paper” muito menos o “Defenestrator”. Este, fique claro, não o vi nem o li. Já o primeiro tive contato e posso garantir: trata-se de uma iniciativa bastante interessante. Não é um jornal tradicional, com notícias quentes do dia anterior, as chamadas “hard news”. Está mais para uma revista – tanto pelo formato quanto pelo conteúdo.

O “City Paper” vale a leitura. O texto principal, sobre o “Defenestrator”, por exemplo, faz uso de recursos do chamado “new journalism” – o “novo jornalismo”. Para apresentar a publicação anarquista, a reportagem acompanhou uma espécie de protesto que distribuía comida grátis, fruto de um movimento intitulado “Food not bombs”.

Após narrar em detalhes personagens e situações do protesto, a matéria trouxe a questão: como as pessoas foram mobilizadas para participar? Num mundo em que as redes sociais exibem grande poder de mobilização, aquelas pessoas estavam lá porque viram no jornal. Não nos jornais tradicionais da cidade e sim numa publicação um tanto tosca, em preto e branco, chamada “The Defenestrator”.

A seguir, reproduzo trechos do início da reportagem (disponível só em inglês). Ela pode ser lida na íntegra no link já disponibilizado nesta postagem.

They're supposed to be there at 7:30 p.m., but on Aug. 17, by 7:45, there are very few people in front of the Free Library's Central Branch, and for very good reason: Somehow the sun remains sweltering hot despite its gradual progression toward the horizon over the Art Museum. Still no one by 7:50. Drifters seem to muscle through the broil to reach the library's luxuriously frigid, conditioned air.

Right around 8 p.m., just before the impulse to flee has all but played out, a lithe, white, cute hipster shows up in beat-up gray Chuck Taylors, long cutoff jean shorts, a tight yellow T-shirt and a green trucker cap. She's grinning wide and awkwardly cradling a giant plastic bowl that even from 100 feet away appears to be splashed with red sauce. As she approaches a park bench in the grass, more young people draw near, maybe 15 total, emerging from the 19th Street side of the library. They all carry food. The scene begins to play out:

First the front door of the library opens and a gray-haired dude - Caucasian, unwashed and unshaven - comes striding out toward the bench, staring intently at it with wide, dark eyes. A few more people trickle out from inside the library. The door closes and then opens again as more people exit. From the other side of the bench a tattered squadron steps in weird unison, some limping, some stepping faster, close to a jog, toward what one could imagine looks aerially like a vortex of men and women all converging on one spot to get what turns out to be a spatula full of vegan spaghetti each, some potatoes and a ripe orange served on a paper plate.

They eat using plastic forks. At least 100 people arrive to feast and no one pushes, no one raises their voice and, in fact, the whole scene is surprisingly silent - the only sounds coming from mouths chewing and shoes walking, first toward the bench and then, after they've received their meal, toward spots on grass and concrete. They eat in peace and chew and sit quietly, if only for a few moments, before they either depart or get up with a clean plate to ask for seconds. They'll receive it if they ask; there's plenty to go around.

This gathering has a name: Food Not Bombs. It's a type of franchise activism initiated in Cambridge, Mass., to protest war, poverty and needless excesses. (...) Their goal is to serve free, fresh-made vegan fare to anyone who wants it, and to encourage the poor and homeless to gather and hang out and maybe even germinate ideas for personal and collective growth.

The Web provides ample opportunities to advertise gatherings like this, but ask anyone here how they discovered the free food and they'll likely say one of two things: "My friend told me," or "I read it in the newspaper."

The "newspaper" is not the Inquirer or the Daily News or even City Paper, but a printed anarchist publication called The Defenestrator. It is a stark, black-and-white newsprint publication distributed for free in independent shops and meeting places along Lancaster and Baltimore avenues in West Philadelphia, and at a few places within tentacle reach of South Street's business district.

| | 0 comentários

A força dos sonhos

Tenha absoluta certeza de que Deus jamais abandona seus filhos. Se ele nos fez sonhar com algo, também nos deu as ferramentas para realizar este sonho.

Saiba pedir sua ajuda. Peça uma coisa de cada vez - e depois aprenda a decifrar os sinais que mostram o caminho de seu tesouro. Saiba concentrar-se naquilo que deseja de verdade - esqueça todos os outros pequenos desejos que aparecem no caminho.

Pense bem antes de pedir. Mas quando souber o que quer, vá até o fim. Aguente as consequências, apanhe com os erros, pague o preço. Atravesse o deserto das desilusões e da incompreensão. Deixe os outros dizerem que você enlouqueceu, que aquilo não é possível. Lembre-se que, no fundo, foi uma força mais poderosa que plantou este desejo em seu coração.

Fonte: blog do Paulo Coelho, “Da concentração”, postado em 29/1/13.

| | 0 comentários

Direto do toca-CD (35)

Cai a noite sobre a minha indecisão
Sobrevoa o inferno minha timidez
Um telefonema bastaria
Passaria a limpo a vida inteira
Cai a noite sem explicação
Sem fazer a ligação

(...)

Esperei chegar a hora certa
Por acreditar que ela viria
Deixei no ar a porta aberta
No final de cada dia
Cai a noite doce escuridão
De madura vai ao chão

Na hora da canção em que eles dizem "baby"
Eu não soube o que dizer
Ah...vida real!
Como é que eu troco de canal?

(“Vida Real”, de Humberto Gessinger)

| | 0 comentários

Ele foi o cara!

Eis o homem que está fazendo o maior sucesso nas telonas e é um dos favoritos ao Oscar 2013 - se não levar o de melhor filme, pelo menos o de melhor ator vai para Daniel Day-Lewis.




Abraham Lincoln, o 16° presidente dos Estados Unidos, é cultuado no país, sendo um dos expoentes do National Mall, em Washington D.C. O memorial em homenagem a ele fica no canto oposto ao Capitólio, a sede do Congresso norte-americano.


* As duas primeiras fotos são de Carlos Giannoni de Araujo; a outra é minha

domingo, 27 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

De novo o Facebook...

Em menos de dez dias, o Facebook invadiu as conversas ao meu redor. Primeiro, um “imbroglio” envolvendo o que considero uma idiotice de “aceitar” e “excluir” (repare bem nos verbos e o peso que eles representam) alguém como “amigo”. Como se pudesse existir amizade por meio de uma rede social, mas esta é outra questão.

Depois, um outro problema envolvendo a necessidade das pessoas de fazerem do tal Facebook um diário. “Fui em tal lugar...”, “Estive com fulano...”. De repente, a vida de -  quase – todo mundo tornou-se de interesse público.

E tudo culminou no questionamento de uma conhecida. A pergunta inevitável: “Você não tem Facebook né?”. No que respondi: “Para quê? Para ficar fuçando a vida dos outros?”. E ela: “Ué, é exatamente isto. É legal!”.

Dispenso.

Não adianta você aí, fã do dito cujo, dizer que não é necessariamente assim porque está na essência do Facebook bisbilhotar o que outros escrevem. Daí à exposição exacerbada que se vê a todo momento é um pulo. A tal rede despertou, parece-me, alguns dos mais primitivos instintos humanos...

Confesso que não entendo o que motiva alguém a tornar pública sua agenda diária de compromissos.

Tampouco consigo entender a exposição fotográfica (muitas vezes de gosto duvidoso, quando não resvalando para o apelo erótico mesmo). Poses e mais poses, novos cortes de cabelo, mensagens inúteis, enfim.

De repente, a vida de – quase – todo mundo virou um livro aberto.

A vaidade humana é potencializada pela rede, sem dúvida. O ego fica lustrado. Quem não gosta de, ao postar uma foto, ler comentários do tipo “linda”, “fofa”, “bonita como sempre”? Ou mesmo receber cantadas como “está disponível?” e afins. Faz parte da natureza humana gabar-se com o elogio.

Não sou psicólogo, antropólogo ou algo do gênero para tentar explicar o fenômeno. Nem pretendo.

Só sei que me causa certa irritação esta exposição da vida alheia. E o interessse que isto desperta – porque desperta.

Aí um amigo me disse: “O problema não é o Facebook, são as pessoas”. Ele tem meia razão. Afinal, a tal rede foi criada para quem senão para o ser humano?

O fato é que, sem ter Facebook, em uma semana me vi diante de dois problemas ligados a ele.

Prefiro, pois, levar minha vidinha desinteressante. Acho melhor, como costumava brincar um colega, “reduzir-me à minha insignificância”.

A quem há de interessar, por exemplo, que acordei resfriado se não sou Frank Sinatra...?

| | 0 comentários

Frase

“É impressionante como o Brasil, que se escandaliza com as matanças em escolas e cinemas nos EUA, se acostumou com histórias cinematográficas de assassinatos em toda a parte do país.
Eliane Cantanhêde, jornalista, em sua coluna “Morte” na “Folha de S. Paulo” deste domingo (27/1)

| | 0 comentários

Pelos céus de Las Vegas

Você tem espírito aventureiro e uma boa dose de coragem, pode se arriscar pelos céus de Las Vegas (EUA). Basta subir até o alto da Stratosphere, uma torre – ou melhor, um hotel-cassino em formato de torre. Lá, além de uma magnífica vista da cidade e dos arredores, você encontrará alguns brinquedos para se divertir.

Um deles é o que se ve nas fotos abaixo. Voce senta na cadeirinha e ela gira solta no ar a nada menos que 350 metros de altura. E aí, arrisca?




Leia também:


sexta-feira, 25 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

As cobranças sobre Hadich

Percebe-se uma certa impaciência de setores da sociedade - e da imprensa – com o governo Paulo Hadich (PSB). Cobranças e julgamentos que são feitos com menos de um mês de governo hoje não eram feitos em outros tempos. Se tivesse ocorrido da mesma forma talvez Limeira não tivesse passado pelos tristes episódios que viveu entre o final de 2011 e o início de 2012.

Contudo, como este blog já registrou, parte da "prematuridade" das cobranças e críticas tem relação direta com o novo momento que a cidade vive justamente em razão da crise política que se abateu sobre ela. Limeira não é e nunca mais será a mesma.

Sente-se, porém, que parte da crítica guarda uma relação com um certo preconceito latente na chamada elite limeirense (a financeira e a formadora de opinião). O governo Hadich representou a ascensão ao poder de um novo grupo, alheio a esta elite.

Soma-se a estes fatores (a nova realidade e o preconceito) o amadorismo de alguns, os de sempre, aproveitadores de plantão, deste e de todos os governos.

A expectativa, neste caso, é que Hadich não ceda como ols outros fizeram. Pelo meno não em relação a isso (já que nos arranjos políticos ele infelizmente cedeu...).

| | 0 comentários

“Eu não posso como quero!”

O que eu posso, eu não posso como quero! 
Eu posso com menos possibilidades. 
Se eu não posso modificar a vida, quero deixar que a vida me modifique. 
Se eu não posso mudar o acontecimento, 
então eu quero que o acontecimento me modifique. 
Isso é reconciliar os contrários. 
Isso é descobrir a sabedoria da possibilidade. 
Não é do jeito que eu quero, mas vai ser o jeito que pode! 
E aí o meu coração se mexe assim como o organismo busca forças 
para reconciliar a carne e cicatrizar aquele lugar que está ferido. 
Todo o meu organismo se mexe, se volta para aquela urgência. 
Todo o meu coração se move na tentativa de descobrir 
o significado para a vida naquele instante.
E se a gente obedece a essa regra da cicatrização do momento, 
a gente acorda melhor no outro dia. Sabe por quê
Porque a ferida parou de sangrar um pouco. 

(Padre Fábio de Melo)

| | 0 comentários

A reportagem final

A última reportagem que fiz para a TV Jornal foi um balanço da curta administração de Orlando Zovico à frente da Prefeitura de Limeira.



A reportagem foi ao ar no "Jornal da Cidade".

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013 | | 1 comentários

Anjos - eles existem

Anjos existem. E não necessariamente possuem asinhas brancas e auréolas.

Eles se apresentam na nossa vida cotidianamente. Tornam-se amigos ou simplesmente passam por um instante, um insignificante instante – mas relevante o suficiente para dar o recado.

Na vida, por vezes conhecemos pessoas em quem depositamos todo amor e confiança e elas nos decepcionam. De um modo que deixa marcas, feridas, cicatrizes. Ainda assim, devemos aceitar e entender que algum motivo havia (ou há) para que enfrentássemos determinadas situações – ainda que doloridas - junto de determinadas pessoas.

Outras, porém, aparecem de um modo aparentemente casual e nos ajudam – seja por meio de um gesto, uma palavra ou algo maior.

Cada anjo tem seu momento e seu objetivo.

Você já parou para pensar quantas pessoas contribuíram para sua vida, seja em razão de uma palavra, um conselho, um alerta? Você deu ouvidos a estas pessoas ou as ignorou? Talvez elas tenham sido anjos enviados por Deus para lhe ajudar.

Por vezes, os anjos aparecem apenas para nos amparar. Fazem isso sem saber quanto estão nos ajudando – porque os anjos não são necessariamente seres celestiais. São algumas vezes humanos, cheios de qualidades e defeitos como nós.

Ultimamente, tenho identificado alguns anjos em minha vida. São pessoas enviadas por Deus para uma determinada missão – e a exercem do modo mais singelo possível, com humildade, simplicidade e sem pretensão alguma.

Alguns dão a isto o nome de amizade. Pode ser, anjos por vezes se tornam nossos amigos.

Nem sempre, porém, será assim.

Portanto, comece a prestar atenção nos detalhes, nas palavras que as pessoas lhe dirigem, nos gestos que fazem em seu favor. Você inevitavelmente começará a identificar muitos anjos em seu caminho.

Acredite, eles existem. E não necessariamente possuem asinhas brancas e auréolas.

| | 0 comentários

O "modus brasiliensis" e nós

Segue a série de revelações diárias sobre os desvios de conduta do favorito à presidência do Senado, Renan Calheiros, seguido de perto na série pelo candidato à presidência da Câmara, Henrique Eduardo Alves. Mas não é nas obras incompletas desses dois líderes políticos que se encontra o motivo mais forte de espanto e indignação. É no seu oposto. É nas outrora chamadas "pessoas de bem", hoje sem uma expressão que as designe.

Onde estão as "pessoas de bem" dotadas de poderes para reagir à esperada entrega do Poder Legislativo do país ao aviltamento escancarado? Onde estão a OAB nacional e suas seções regionais, que não movem sua autoridade histórica e seu patrimônio de conhecimento para ativar e liderar a defesa da sociedade civil? Acomodar-se no imobilismo e no silêncio permissivos é associar-se ao que merece reação. Os intelectuais, os artistas, os estudantes, onde pararam?

Fonte: Janio de Freitas, “Aplausos, que eles merecem”, Folha de S. Paulo, Poder, 24/1/13.

Leia também:

| | 0 comentários

Passado e futuro num museu

Você, por acaso, tem receio de voar? Com toda a tecnologia existente hoje, ainda não se sente confortável dentro de um avião? Tente, então, fazer um exercício: volte no tempo quatro décadas, mais precisamente a julho de 1969. Imagine a tecnologia existente na época e embarque numa aventura inédita e desconhecida rumo à... Lua.

Isto mesmo!

Tal como os portugueses se lançaram ao mar (igualmente desconhecido e misterioso) no século 15, dando início às grandes navegações e alterando definitivamente o rumo da história da humanidade ao “descobrirem” o Novo Mundo, navegadores do século 20 - chamados astronautas - deram em 1969 “um pequeno passo para o homem, um salto gigantesco para a humanidade”. 

Pela primeira vez um homem pisava em solo lunar. Era a missão Apollo 11, da Nasa (a agência espacial dos Estados Unidos). O feito inédito coube a Neil Armstrong e Edwin “Buzz” Aldrin (o terceiro tripulante da missão, Michael Collins, permaneceu todo o tempo no módulo de comando Columbia).


Estou relembrando este episódio porque, dia desses, assisti num canal a cabo a um documentário sobre o surgimento e o desenvolvimento da aviação, desde os experimentos dos irmãos Wright em Dayton, no estado de Ohio, em 1903, até os dias atuais.


Ao tratar do desenvolvimento da aviação, o documentário abordou a ida à Lua. Isto porque muito da tecnologia usada hoje em dia e considerada essencial para a aviação comercial tem origem naquele arriscado voo de 1969 da Apollo 11.

Foi dali que surgiram, por exemplo, os primórdios de um sistema em voga atualmente nos aviões, chamado “fly-by-wire”.

De acordo com o documentário, muita gente ignora o fato de que a missão rumo à Lula quase foi abortada minutos antes de ser completada. É que o módulo lunar Eagle se deslocou além da área prevista para o pouso (coisa de seis quilômetros), colocando a operação em risco.

Havia pouco combustível, mas Armstrong tomou a decisão de seguir adiante. Para isso, em linguagem popular, “dirigiu” manualmente o módulo até o solo. Foram as informações dadas pelo moderno e inovador (para a época) sistema de navegação por computador que permitiram ao astronauta tomar a decisão – que, tal como nas grandes navegações, mudou a história da humanidade (o fato está contado em detalhes no Wikipedia).

Não descobrimos “novos mundos” (embora tenhamos chegado ao inabitável satélite da Terra), mas muitos dos avanços que tornaram a missão possível fazem parte do nosso cotidiano até hoje.

Enquanto assistia ao documentário, lembrei das visitas que fiz ao museu da aviação em Washington D.C., a capital dos EUA – a última delas em abril de 2012.

Oficialmente denominado National Air and Space Museum (NASM), o local não só conta a história da ida do homem à Lua como permite que os visitantes toquem numa lasca de pedra lunar (experiência considerada a mais interessante de toda a viagem pelo amigo jornalista Carlos Giannoni de Araujo, que me acompanhou) e vejam objetos usados naquela revolucionária missão – incluindo o Columbia.


Roupas de astronautas, módulos para a reentrada na Terra (devidamente chamuscados pelo contato com a atmosfera, quando costumam se incendiar), a “vida” no interior de um foguete, o cenário do pouso na Lua e o vídeo que registrou o histórico momento, entre tantas outras curiosidades da aviação e da ciência estão lá à disposição dos visitantes.















  
O NASM é um verdadeiro deleite para os aficcionados por aviões. Vale a visita até para quem é apenas curioso, o que inclui praticamente todos os seres humanos. O museu fica no National Mall, bem perto do Capitólio (a sede do Congresso dos EUA) e a entrada é grátis.

* As fotos são minhas e dos amigos Cristiano Persona e Carlos Giannoni de Araujo

| | 0 comentários

Direto do toca-CD (34)

Dentro de cada pessoa
Tem um cantinho escondido
Decorado de saudade

Um lugar pro coração pousar
Um endereço que frequente sem morar
Ali na esquina do sonho com a razão
No centro do peito, no largo da ilusão

Coração não tem barreira, não
Desce a ladeira, perde o freio devagar
Eu quero ver cachoeira desabar
Montanha, roleta russa, felicidade
Posso me perder pela cidade
Fazer o circo pegar fogo de verdade
Mas tenho meu canto cativo pra voltar

Eu posso até mudar
Mas onde quer que eu vá
O meu cantinho há de ir

Dentro...

("Cantinho Escondido", de Carlinhos Brown, Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Cézar Mendes)

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Jornalismo e história

Então professor do Departamento de História da USP (Universidade de São Paulo), Marcos Silva esteve na Unesp (Universidade Estadual Paulista), em Bauru, em meados dos anos 1990, para uma palestra sobre ensino de história.

Na ocasião, ele fez uma interessante ligação entre o historiador e o jornalista. “O jornalismo é um tipo de conhecimento histórico. O jornalista analisa seu momento. O historiador divide com o jornalista preocupações”, afirmou.

Ele fez questão de salientar que, ao contrário do que muitos pensam, história não é a “ciência do passado”. Segundo Silva, história é o estudo do ser humano e suas ações no tempo indeterminado – inclusive na atualidade.

Durante a palestra, o professor fez uma crítica ao “modus operandi” da imprensa tradicional. De acordo com ele, o jornalismo trabalha pouco com o homem comum. “O procedimento da imprensa deve ser refletido”, afirmou.

Na ocasião, fiz duas perguntas ao professor, que gostaria de reproduzir:

Pergunta – O Brasil é um país sem memória, como diz o senso-comum?
Marcos Silva – Discordo. Tem uma memória muito consolidada, muito forte. Temos muita dificuldade de viver dentro desse esquema. A memória da elite é muito forte. Basta ver o Duque de Caxias, o “pacificador”. O Brasil possui uma memória poderosíssima. Apagou-se a memória dos movimentos sociais. Existe uma memória determinada.

Pergunta – O povo brasileiro não tem memória, como afirmam?
Silva – Existem ponderações de “desmemória”. As pessoas não esqueceram das coisas, foram levadas a não se lembrar. A grande imprensa participou muito desse esquecimento. O grande mal é ser unidirecional.

Importante salientar novamente que a palestra (e, portanto, as opiniões) foi dada em meados dos anos 1990.

| | 4 comentários

Primórdios do clube

Aos parceiros do Clube Erdinger, uma lembrança do passado. Vocês nem sabiam o que era isto, mas eu já tomava a minha Erdinger - em Londres! Não é à toa que sou o fundador e presidente de honra do clube (risos).





Já morreram de inveja (risos)?

| | 0 comentários

Frase

"A medicina tem limites."
Maria Deolinda Martins, médica oftalmologista

| | 0 comentários

Para ser um bom jornalista...

Revendo alguns materiais da época da faculdade (ou seja, dos primórdios da popularização da Internet, meados dos anos 1990), encontrei anotações de uma palestra do jornalista Marcelo Mendonça a alunos de Comunicação Social da Unesp (Universidade Estadual Paulista), em Bauru.

Mendonça – na época editor do hoje extinto “Jornal da Tarde” – teve que responder uma pergunta que começava a intrigar quase todo mundo: “Existe futuro para a mídia impressa?”

“Isto ela mesma se pergunta. Os brindes jogaram a circulação num nível insuportável. Isto gerou problemas físicos, falta de papel jornal. Acredito que a mídia impressa ainda tem uma vida longa”, disse ele na ocasião.

De fato, até hoje (cerca de 15 anos depois da palestra) ninguém tem ao certo uma resposta para a tal pergunta.

O que se sabe é que o conhecido “JT”, nascido em 1966 para revolucionar a imprensa, não resistiu aos novos tempos. Deixou de circular em 31 de outubro de 2012.

Na ocasião, nós alunos perguntamos também a Mendonça quais os requisitos para conseguir um bom emprego (ou seja, ser um bom jornalista). Trata-se de uma pergunta que já me fizeram, uma ex-aluna, e que foi motivo de postagem aqui no blog.

Mendonça respondeu de modo objetivo. Eis, então, os requisitos citados por ele (com os quais concordo):

- ter vontade (gostar do que faz);
- escrever bem (dominar a Língua Portuguesa);
- ler muito;
- saber pelo menos o inglês;
- ser curioso;
- não se acomodar.

E aí, alguém se arrisca?

| | 0 comentários

Aniversariantes ilustres

Dois ícones de duas das maiores metrópoles do mundo comemoram neste início de 2013 datas emblemáticas. No próximo dia 2, a Grand Central Station, em Nova York (EUA), vai celebrar seu centenário. Um livro está sendo lançado para marcar a data - trechos da obra constam de reportagem divulgada pelo UOL.






Em 9 de janeiro último, quem comemorou aniversário foi o metrô de Londres (Inglaterra): 150 anos, o que lhe confere o título de mais antigo do mundo.

Quem já foi para a capital inglesa e pegou o "tube" certamente ficou com uma frase gravada na memória (tamanha a insistência com que é repetida, a cada parada): "Mind the gap".

Uma exposição foi lançada para celebrar a data.

* Uma foto, a primeira, é de minha autoria; as demais, pela ordem, são dos amigos Cristiano Persona, Kelly Camargo e Carlos Giannoni de Araujo (as duas últimas)

terça-feira, 22 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

"Os olhos precisam viajar"

A maravilhosa frase ali no título é de Diane Vreeland, a grande fashionista americana. Com ela eu concordo, em sua sabedoria eu bebo.

Amo viajar. Viajo cada vez mais com mais intensidade. Não dá só para ficar googlando a vida, é preciso ver a vida. A vida não é on-line.

É preciso internacionalizar o pensamento, confrontar os parâmetros. Ter uma visão das coisas que estão acontecendo. E nunca foi tão fácil viajar. (...)

Fonte: Nizan Guanaes, "Folha de S. Paulo", Mercado, 22/1/13 (texto na íntegra aqui).

| | 0 comentários

Querer e poder

O que eu quero eu não tenho
O que eu não tenho eu quero ter
Não posso ter o que eu quero
E acho que isso não tem nada a ver

(“Conexão Amazônica”, de Renato Russo e Fê Lemos)

O que eu quero
Eu não vou lhe dizer
O que eu sinto
Você não vai saber
O que eu não posso
É o que eu quero ter
(“Voltar”, de Jonathan Côrrea)
O que tem de errado em mim?
tudo o que eu quero é o que não posso ter
Será que vai ser sempre assim?
(“Tudo o que eu não posso ter”, de Israel Ribeiro)

| | 0 comentários

Paixões reunidas (e não me refiro ao time)

Leitura, esporte e história são algumas paixões da minha vida. Quando é possível unir as três num único momento, num mesmo objeto, tem-se algo especial. É assim que defino a recém-concluída leitura de "1942 - O Palestra vai à guerra", do jornalista Celso de Campos Jr., com brilhante trabalho visual de Gustavo Piqueira.

A obra trata de um momento histórico para o então Palestra e depois Palmeiras: justamente quando se deu a mudança do nome do clube. Era também um momento histórico para o Brasil, que vivia a ditadura de Getúlio Vargas e as pressões para ingressar na Segunda Guerra Mundial, que fazia a Europa sangrar.

O "book-trailer" a seguir dá uma ideia do momento crucial em que a história do mundo, do Brasil e do Palmeiras se cruzaram na São Paulo dos anos 1940, uma cidade que fervilhava com sua transformação urbana e respirava futebol, talvez a principal atividade de lazer na época:



Deixando paixões de lado, é preciso reconhecer um fato: o Palmeiras de hoje está uma draga (aliás, não só hoje, já há alguns anos, infelizmente), mas qualquer palmeirense tem motivos mais do que suficientes para se orgulhar da história do clube. 

Não sei se algumas outras agremiações podem dizer o mesmo. Ainda que brilhem nos gramados de hoje, o passado tem manchas que o tempo não apaga.

Recomendo o livro para todos que amam leitura, esporte ou história. Se gostar dos três, corra para a livraria!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Frase

"Que a vida me chame. Os vistos estão em dia e sigo a postos."
Martha Medeiros, escritora, em "Um lugar na janela" (p. 191)

| | 0 comentários

Câmara fica cheia na estreia da nova legislatura

“Esta presidência solicita aos senhores vereadores e senhoras vereadoras que se levantem.” Com estas palavras, seguida da tradicional leitura de um trecho da Bíblia, Ronei Costa Martins (PT) abriu oficialmente às 18h09 desta segunda-feira (21/1/13) a sessão ordinária inaugural da nova Câmara de Limeira para o quadriênio 2013-16.

Na chamada inicial, apenas 15 dos 21 vereadores estavam no plenário – os demais chegaram rapidamente.

A estreia da nova legislatura foi marcada por um desfalque: o vereador reeleito Raul Nilsen Filho (PMDB) pedira licença do cargo para comandar a Secretaria Municipal de Saúde. Em seu lugar, Ronei deu posse nesta segunda ao suplente do PMDB, o empresário e radialista Bruno Arcaro Bortolan.

No discurso de posse, Bruno destacou a trajetória da família na Câmara (o avô Vitório, que dá nome ao plenário, foi vereador por seis mandatos e o pai Gu Bortolan por dois mandatos, ambos tendo presidido o Legislativo). Também manifestou sua confiança na política e falou em “lisura” e “honradez” como heranças deixadas pelo pai e o avô na Casa de Leis.

Na primeira sessão ordinária da nova legislatura, o auditório ficou cheio. Assim, a sessão foi marcada por muita movimentação nos bastidores. Sobraram conversas em tom ameno.

No plenário, timidez e cautela por parte dos vereadores novatos. Era nítida a preocupação em “não fazer feio na estreia”. Um deles chegou a confidenciar ao blog que aguardaria “umas três sessões” para se soltar um pouco mais, aprendendo nesse tempo com os demais.

Assim, só mesmo os mais experientes – alguns de volta à Câmara - arriscaram uma participação mais efetiva.

O primeiro projeto de lei da nova legislatura – de número 01/2013 - teve a assinatura de Darci Reis (PR). Ele quer proibir a frisagem de pneus na cidade.

A primeira comissão de assuntos relevantes também já foi proposta. De autoria de Jorge de Freitas (PPL), tem como objetivo buscar a consolidação das leis municipais (em outras palavras, uma revisão das leis locais, muitas em desuso ou ignoradas por cidadãos e Poder Público).

Do Executivo, a matéria de abertura foi um veto do prefeito Paulo Hadich (PSB) a uma lei aprovada no ano passado. O veto foi encaminhado às comissões internas da Câmara.

A primeira moção foi de aplausos. Assinada por Freitas e Júlio César Pereira dos Santos (DEM), ela congratula a limeirense Alexandra Nascimento pela conquista do título de melhor jogadora de handebol do mundo.

De volta à Câmara, Wilson Nunes Cerqueira (PT) foi escolhido por Hadich para ser líder do governo.

Hadich, aliás, não apareceu para a costumeira visita de cortesia na abertura do ano legislativo.

Pelo menos três ex-vereadores estavam presentes: Mário Botion, Carlos Rossler e Silvio Brito.

Quem também apareceu para saudar o novo Legislativo foi o ex-vereador e hoje deputado federal Otoniel Carlos de Lima (PRB). Em discurso, ele falou de suas ações em prol de Limeira junto ao governo federal e alfinetou o ex-prefeito Silvio Félix (PDT), cassado em 24 de fevereiro de 2012 sob acusação de suposto enriquecimento ilícito de seus familiares. Otoniel afirmou que em um mês foi procurado mais por Hadich do que “nos sete anos do governo anterior”.

Júlio César aproveitou a presença do deputado para pedir a intervenção dele junto ao governo estadual (Otoniel foi deputado estadual antes de chegar ao Congresso Nacional) no sentido de buscar reduzir as tarifas de pedágio e incentivar o transporte ferroviário.

Pelo menos dois projetos que estavam na pauta de votação ficaram prejudicados em razão de emendas e um deles foi retirado a pedido do prefeito. Os vereadores ainda se reuniram para formar os blocos e comissões internas da Casa.

| | 0 comentários

Homenagem a um leonino

Reproduzo a seguir a reportagem do jornalista Gustavo Nolasco - veiculada no “Jornal da Cidade” desta segunda-feira (21/1/13) da TV Jornal - como homenagem a um limeirense e leonino apaixonado pelas coisas da Internacional de Limeira.

A reportagem mostra um exemplo de amor por um clube e também de amizade.

Antonio Carmo Drago - ou simplesmente Richard, como era mais conhecido - morreu nesta segunda-feira em São Paulo:



PS: a Câmara de Limeira fez nesta segunda-feira um minuto de silêncio em reverência à memória de Richard Drago.

| | 0 comentários

Direto do toca-CD (33)

'Because nothing' last forever
And we both know hearts can change
And it's hard to hold a candle
In the cold November rain
We've been through this such a long long time

Just tryin' to kill the pain
But lovers always come and lovers always go
And no one's really sure who's lettin' go today
Walking away
If we could take the time to lay it on the line
I could rest my head
Just knowin' that you were mine
All mine

(...)

I know it's hard to keep an open heart
When even friends seem out to harm you
But if you could heal a broken heart
Wouldn't time be out to charm you

Sometimes I need some time...on my own
Sometimes I need some time...all alone
Everybody needs some time...on their own
Don't you know you need some time...all alone

(...)

Don't ya think that you need someone
Everybody needs somebody
You're not the only one

("November Rain", de Axl Rose)

| | 0 comentários

"Intimidade é uma m..."

Tenho um amigo publicitário que costumava (acho que ainda costuma) dizer o seguinte: "Intimidade é uma merda...".

Faz muito sentido. A intimidade permite que façamos coisas que não faríamos diante de qualquer pessoa. E também que falemos coisas - sérias ou asneiras - que não falaríamos diante de qualquer pessoa.

Intimidade é, portanto, uma via de mão dupla: tem seu lado bom, pois indica confiança, mas não deixa de ter seu lado escrachado ou mesmo difícil.

Eu, por exemplo, tenho um outro amigo que acaba, em razão da intimidade que criamos, ouvindo todos os meus desabafos. Coitado, já deve estar de saco cheio. Sei que está - embora ele saiba que "paga o preço" (do que fez) e de ter escolhido ser meu amigo.

Então aguente minhas crises! 

Notícia boa: elas são cada vez mais passageiras. Viva 2013!

| | 1 comentários

Um "Joselito"

A história é mais ou menos assim, resumidamente: o ciclista foi multado em US$ 50 em Nova York (EUA) por desrespeitar a ciclofaixa. Ocorre que a tal faixa estava com um obstáculo. Inconformado com a falta de bom-senso do policial, ele decidiu servir de cobaia para um protesto, que resultou no vídeo a seguir:



PS: a definição de Joselito foi dada pelo "brother" Danilo Fernandes.

domingo, 20 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Ruídos noturnos...

"Marvin, agora é só você
E não vai adiantar
Chorar vai me fazer sofrer."

"Marvin, a vida é pra valer
Eu fiz o meu melhor
E o seu destino eu sei de cor."

("Marvin", de R. Dunbar, G. N. Johson, Nando Reis e Sérgio Britto)

sábado, 19 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

"A vida é um ato de fé"

Se todos vivessem suas vidas e deixassem que os outros fizessem o mesmo, Deus estaria em cada instante, em cada grão de mostarda, no pedaço de nuvem que se mostra e se desfaz no momento seguinte.

Deus está ali, e mesmo assim as pessoas acreditam que é preciso continuar procurando,  porque parece simples demais aceitar que a vida é um ato de fé.

As palavras de Deus estão escritas no mundo que nos rodeia. Basta prestar atenção ao que acontece em nossa vida para descobrir em qualquer momento do dia onde Ele esconde suas palavras e sua vontade.

Fonte: blog de Paulo Coelho, postado em 18/1/13.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Mais uma Erdinger, claro!

Voltando ao ritmo do Clube Erdinger (aliás, antes era mensal, agora está virando semanal... - a Erdinger merece!):


E o "brother" Danilo Fernandes observou bem: no Maverick, o sabor é outro. O segredo? A temperatura no ponto exato.

E o "seo" Tales furou desta vez...

| | 0 comentários

Frase

“É todo o mistério de que nada dura que martela repetidamente coisas que não chegam a ser música, mas são saudade, no fundo absurdo da minha recordação.”
Bernardo Soares, um dos heterônimos do poeta português Fernando Pessoa, no “Livro do Desassossego”

| | 0 comentários

Direto do toca-CD (32)

When the one thing you're looking for
Is nowhere to be found
And you back stepping all of your moves
Trying to figure it out
You wanna reach out
You wanna give in
Your head's wrapped around what's around the next bend
You wish you could find something warm
'Cause you're shivering cold

It's the first thing you see as you open your eyes
The last thing you say as your saying goodbye
Something inside you is crying and driving you on
'Cause if you hadn't found me
I would have found you

So long you've been running in circles
'Round what's at stake
But now the times come for your feet to stand still in one place

("Something Inside")

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

Natureza viva

Imagens deste fim de tarde, pós-chuva de verão, em Limeira:



| | 0 comentários

As áreas verdes (de novo)

Grandes cidades não são grandes apenas por suas histórias. Elas também são vanguarda, ainda que carreguem séculos de tradições. Ditam moda e dão exemplo. Tome-se o caso das áreas verdes. Em Nova York (EUA), qualquer canto que possa abrigar uma praça acaba servindo de ponto de encontro – seja para um descanso, um passeio solitário ou com os filhos, um lanche rápido, etc.

Da maior de todas as áreas, o Central Park, aos menores recantos, passando pela agitada Washington Square, os nova-iorquinos sabem desfrutar do espaço coletivo.

No Brasil, as cidades e os cidadãos (aqueles que, afinal, dão vida a um lugar) ainda carecem de uma conscientização maior do chamado espaço público. Como exemplo as frequentes depredações em praças e jardins país afora.

Os governos em geral também pouco contribuem para mudar esta realidade. É comum encontrar espaços abandonados, sem manutenção, com mato alto e sujeira – um atrativo para vândalos e afins. Também faltam segurança e outros atrativos, como atividades gratuitas para atrair o cidadão de bem para as áreas de convivência.

Também falta iniciativa. Em Limeira, por exemplo, esta pequena área que abriga um reservatório de água na região do chamado Centro Acima poderia muito bem servir como uma pracinha, mas está fechada com alambrado e fios cortantes.




Em que pese estar hoje sob controle privado – da empresa que opera, sob concessão, o serviço de água na cidade -, o local ficaria melhor aberto à comunidade. Como, aliás, a pracinha existente bem em frente, que registra baixa frequência de público.


A equação fica assim, então: falta cuidado por parte do poder público, falta hábito por parte da comunidade. 

É possível, porém, construir uma outra realidade. Basta querer – e para isso é preciso dar o primeiro passo.

Leia também:


| | 0 comentários

Para começar um novo dia

Já não sei o que esperar da vida
Tampouco sei o que a vida espera de mim.
Não, não se trata de lamentação;
é uma resolução de ano novo.
Meta: ser feliz!

Certa vez ouvi que não existe felicidade plena,
existem apenas (poucos) momentos felizes.
Bobagem!
Acordar, respirar, viver, amar – eis um bom motivo para se alegrar.
Sim, a vida não é fácil,
existem momentos (poucos, espera-se) tristes.

O segredo está em saber viver.
Saber o que é preciso para viver.
E nada mais é preciso do que o amor.
Amar.

O amor facilita, abre portas, derruba barreiras, une.
Não falo meramente de um amor carnal.
Falo de algo maior, muito maior, que vem de dentro,
que está talvez escondido aí dentro.

É preciso acordar para a vida.
Comece, então.
Peça perdão – quantas vezes tiver que fazer.
Não se canse de dizer “por favor” e “obrigado”.
Distribua sorrisos e elogios – as pessoas gostam de ser elogiadas e reconhecidas.

Valorize as pessoas que gostam de você.
(Mas faça isto de verdade, diga como elas são importantes na sua vida.)
Abrace seu amigo – assim, sem nenhum propósito.
Simplesmente abrace.
Beije seus pais – vai, não custa nada!

Compartilhe, divida, olhe nos olhos.
Sinta, vibre, emocione-se.
Derrame lágrimas se necessário – elas lavam a alma.

Aprecie o amanhecer, o anoitecer,
sinta o encanto do universo, do infinito,
o poder da criação, do Criador.
Respire, inspire.

Faça isto tudo agora.
Vai, comece!
O poeta estava certoÉ preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã...
Para que esperar para ser feliz?
Só depende de você.

PS: pode parecer besteira, mas o amor é capaz de mover montanhas. E para dar amor é preciso antes de tudo amar a si próprio.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013 | | 0 comentários

"Pousos e decolagens" (5)

Não é o famoso Boeing 787 Dreamliner, que está dando problemas em todo canto do mundo (o caso mais recente foi nesta quarta-feira, 16/1, no Japão, com a empresa ANA), mas é um outro Boeing gigantesco que flagrei iniciando o taxiamento para decolagem no aeroporto de Chicago (EUA). 

Era também um avião da ANA, com destino a Tóquio, a capital japonesa.









Leia também:


- "Pousos e decolagens" (4)