sábado, 29 de setembro de 2012 | | 0 comentários

A traição

Não pode subir. É possível que seu quarto esteja ocupado. (...) O remetente alega que Annika vem transando com outro cara enquanto Craig está no trabalho. (...) 'Quando você vai dormir à noite, o lençol está manchado pelo esperma dele', diz a mensagem.
Tom Rachman, "Os imperfeccionistas" (p. 267)

| | 0 comentários

O Brasil 20 anos depois

Hoje, 29 de setembro, o Brasil relembra os 20 anos de um dos episódios mais marcantes e sintomáticos de sua história contemporânea: nessa data, em 1992, o Congresso Nacional aprovava – sob forte pressão da sociedade – o impeachment do então presidente Fernando Collor de Melo.

Pela primeira vez na história do país um presidente da República sofria um processo de impedimento, que resultaria na sua renúncia/cassação pelo Parlamento (Collor renunciou momentos antes de perder o mandato).

O ano de 1992, porém, não foi marcado só pelo impeachment. Dias depois, mais precisamente em 2 de outubro, o país acompanhou um dos episódios mais crueis – e polêmicos - da área de segurança: o massacre do Carandiru (a invasão do então presídio pela Polícia Militar, causando a morte de 111 detentos).

Os dois episódios - que ocorreram numa mesma semana no já longínquo 1992 - são exemplares do que o Brasil virou após duas décadas.

Na política, apesar de todos os problemas que o país enfrenta, não há dúvida que a democracia avançou. Um país que saiu de 21 anos de regime militar, fez a Constituição da chamada Nova República em 1988 e foi capaz de afastar um presidente poucos anos depois merece ser elogiado.

Hoje, assistimos ao julgamento do chamado “mensalão” pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e vemos os ministros condenando figurões da República sem dó. Pode parecer pouco num mar de impunidade que graça pelo país, mas é um alento.

Ao mesmo tempo, é preciso questionar: 20 anos depois, onde foi parar a capacidade de mobilização da juventude tal como se viu com o movimento dos cara-pintadas?

De um episódio para outro, é estarrecedor constatar que, após duas décadas, os acusados pelo massacre do Carandiru sequer foram julgados. É um claro sinal de que a Justiça precisa se modernizar, superar arcaísmos muitas vezes aviltantes. É o mais claro sinal da impunidade – porque, como diz o ditado, a Justiça que não é célere não é justa.

Impeachment e massacre, duas facetas de um mesmo país, de uma mesma sociedade, marcados ambos (país e sociedade) pela ampla desigualdade, revelada em episódios de ontem e de hoje.

O que são 20 anos, afinal, para o Brasil?

Temos muito o que avançar. Que a história nos sirva de lição!

| | 0 comentários

NY, a cidade "despercebida"

"Nova York é uma cidade de coisas que passam despercebidas.”

Este é o nome de uma das reportagens que o mestre Gay Talese escreveu. Está no livro “Fama & Anonimato” (Companhia das Letras). Serviu-me de inspiração para postar as fotos a seguir, feitas durante uma madrugada de abril na Sétima Avenida e adjacências, em Nova York (EUA).



“É uma cidade que tem gatos dormindo debaixo dos carros, dois tatus de pedra que escalam a catedral de St. Patrick e milhares de formigas que rastejam no alto do Empire State Building. As formigas provavelmente foram levadas para lá pelo vento ou pelos pássaros, mas ninguém sabe ao certo; ninguém em Nova York sabe mais sobre as formigas do que sobre o mendigo que toma táxis para o Bowery; ou sobre o homem alinhado que retira lixo dos latões da Sixth Avenue; ou sobre o médium das imediações da West Seventy Street que afirma: 'sou clarividente, clariaudiente e clarissensorial'."




"Quando o trânsito diminui e a maioria das pessoas está dormindo, algumas regiões de Nova York começam a fervilhar de gatos. Eles se movem rapidamente nas sombras dos edifícios; guardas-noturnos, policiais, lixeiros e outros viandantes noturnos os vêem — mas nunca por muito tempo.”





Os textos citados nesta postagem são da reportagem mencionada no início.

Leia também:


sexta-feira, 28 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Palavras

Dias preciosos da minha vida são desperdiçados em razão das lágrimas que choro.

Horas preciosas que não voltam porque teimo em não entender o que todo mundo já cansou de me explicar.

A força das palavras - que partem como uma flecha e atingem o peito de modo certeiro; que faltam quando mais se espera.

Palavras, meras palavras...

Vocábulos expressos na estupidez dos momentos, dilaceram a alma e deixam feridas.

Palavras que traem, que matam, que acabam.

Elas, porém, as palavras, têm a força de um trovão. Da luz que clareia o crepúsculo. Tal como derrubam, podem reconstruir. Para isso, pois, é preciso que sejam ditas. Apenas isto, ditas. 

Bastam poucas palavras. Que não chegam, talvez nunca chegarão.

Restam, então, as lágrimas que choro.

E dias preciosos da minha vida são desperdiçados...

| | 0 comentários

Frase

"Às vezes a escolha de palavras pode complicar uma negociação e adiar a solução de um problema."
Renato Machado, jornalista, em sua coluna no "Jornal da Globo"

| | 0 comentários

"Tocando em frente"

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

(...) 

Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
E ir tocando em frente

Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

(...) 

Todo mundo ama um dia,
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora

Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

(De Almir Sater e Renato Teixeira)

PS: certamente esta música já apareceu aqui no blog (aliás, ela está na minha definição no menu à direita tamanho o sentido que tem para minha vida, mas acho que hoje ela precisa ser reproduzida pois, afinal, é como me sinto...)

| | 0 comentários

Eleições 2012, novo debate

Vem aí o segundo debate da TV Jornal com os candidatos à Prefeitura de Limeira. Anote na agenda: 2 de outubro, às 21h, ao vivo.



Em tempo: as fotos acima são do ensaio para o primeiro debate, ocorrido em agosto.

Mais informações sobre as eleições no blog "Limeira 2012".

* As fotos foram feitas pelo cinegrafista Max Ribeiro

quinta-feira, 27 de setembro de 2012 | | 0 comentários

A profissão

- (...) Mas o jornalismo parecia uma profissão de macho alfa.
- O jornalismo consiste em um bando de idiotas fingindo ser machos alfas – comenta ela. (...)
- Estou farta da pirataria das agências de notícias – explica ela. – Seria bom desgrudar o ouvido do telefone e sair para fazer reportagens de vez em quando.
Tom Rachman, “Os imperfeccionistas” (p. 216)

| | 0 comentários

Relatos de uma paixão

Sem ter o que fazer, decidi assistir na Internet ao que considero um dos melhores programas da TV brasileira, o “Dossiê Globo News”. O entrevistado era Gay Talese, ícone do jornalismo mundial e um dos expoentes do chamado “new journalism”, o “novo jornalismo”.

A entrevista me deixou com um nó na garganta, com vontade de chorar. Por razões diversas, pessoais e profissionais. É inspiração no seu estágio mais puro. Todo jornalista (aliás, todo mundo) deveria assisti-la. Dois grandes jornalistas (o entrevistador é Geneton Moraes Neto) falando de jornalismo e de vida.


Perdoe-me o desabafo grosseiro, mas é assim que ele precisa ser feito: eu amo essa merda chamada jornalismo, é só o que sei fazer, mas a realidade que se impõe me afasta cada vez mais dele. Da profissão, dos sonhos, de tudo.

Por isso vejo a areia descer pelo espaço miúdo da ampulheta.

| | 0 comentários

Frase

“Sabe, estou me dando conta de que me enganei a respeito de uma coisa: sempre achei que a idade e a experiência deixam a pessoa mais calejada, mais forte. Mas não é verdade. Ocorre o oposto.”
Winston Cheung, personagem de “Os imperfeccionistas”, livro de Tom Rachman (p. 217)

| | 0 comentários

"Passerà" (2)

Passerà primo o poi
Questo piccolo dolore che c'è in te
Che c'è in me, che c'è in noi
E ci fa sentire come marinai
In balia del vento e della nostalgia
A cantare una canzone che no sai come fa
Ma quel piccolo dolore, 
Che sia odio, o che sia amore
Passerà

Passará cedo ou tarde
Esta pequena dor que existe em ti
Que existe em mim, que existe em nós
E nos faz sentir como marinheiros
Em poder do vento e da saudade
A cantar uma canção que não sabes como faz
Mas aquela pequena dor, 
Que seja ódio, ou que seja amor
Passará

("Passerà", de Aleandro Baldi, Bigazzi e M. Falagiani)

| | 0 comentários

Dúvida (ou desejo)

Alguém pode me dizer se é possível antecipar o fim do ano?

Não que mudar o calendário signifique algo (porque de fato não significa), mas 2012 já deu o que tinha que dar (no meu caso, cicatrizes...).

quarta-feira, 26 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Sombra

Eis o que me tornei... 


... sombra de mim mesmo...

| | 0 comentários

A ética nossa de cada dia

Estamos vivendo tempos de uma ética utilitarista. Ou, melhor dizendo, da deturpação dos princípios utilitaristas. Do eudemonismo natural para uma moral egoísta. Isto se revela em dois tipos de atitudes: 1) a avaliação do que é bom ou mau (ou, dito de outra forma, do que vale a pena ou não) com base nas consequências que algum ato possa trazer para o indivíduo; e 2) a consideração do que vale a pena ou não com base numa suposta superioridade ideológica em relação a outras correntes de pensamento.

O resultado desse tipo de comportamento é que agimos ou nos omitimos pensando unicamente no(s) efeito(s) que tal ação ou omissão pode nos causar como indivíduos ou à nossa causa (neste período eleitoral este tipo de situação fica evidente). Traduzindo em exemplo: não importa se determinada pessoa possa ter cometido uma irregularidade; se denunciar irá trazer benefícios, faça-se; se não trouxer benefícios, omite-se. E a suposta irregularidade? Ora, ora...

Em suma, o indivíduo aceita as irregularidades desde que estas não o prejudiquem ou ainda desde que a omissão de não denunciá-las o beneficie. E o processo que pode estar sendo deturpado pelas tais irregularidades? E outros que podem estar sendo prejudicados? “Laissez faire, laissez passer” (atenção: considere a expressão meramente por sua tradução e não por seu significado na teoria econômica liberal).

Se questionada, a pessoa que aplica a ética utilitarista (deturpada) dirá que está seguindo a moral eudemonista. Falará isso com base na crença de que suas verdades são “a verdade”.

Eis, pois, uma das minhas mais recentes inquietações – levada a cabo por uma pergunta de um militante político: “Entre a orientação partidária em favor de um projeto em prol da coletividade e as suas convicções, você fica com qual?”

Mais uma vez, fico tentado a recorrer a Quincas Borba: “Ao vencedor, as batatas!”

| | 0 comentários

Questão de opinião

"There's no Such Thing as a Free Lunch". Numa tradução livre, "almoço grátis é algo que não existe". A frase, popularizada por Milton Friedman, que a utilizou como título de livro de 1975, revela a ideia central da economia de que tudo tem um preço, ainda que ele não esteja evidente.

O princípio não está restrito à economia e vale para outras esferas, como direitos e dinâmicas sociais, aí incluída a liberdade de expressão. Como mostrou o "Tec", ela vem sendo objeto de debates, devido à conjunção dos incidentes provocados por sátiras ao islamismo e casos variados de autocensura na rede social.

Evidentemente, não existem direitos absolutos. Se afirmássemos algum deles em grau superlativo, estaríamos negando todos os demais, o que nos tornaria um povo de direito único. Ainda assim, há que reconhecer que a liberdade de expressão só faz sentido se for assegurada de forma robusta. Dou a palavra ao linguista e ativista político Noam Chomsky: "Se você é a favor da liberdade de expressão, isso significa que você é a favor da liberdade de exprimir precisamente as opiniões que você despreza". De fato, se o mecanismo devesse limitar-se ao que a maioria está disposta a ouvir, nem seria necessário inscrevê-lo como garantia fundamental nas Constituições.

E nós o fazemos, não por capricho dos primeiros ideólogos da democracia, mas porque ele regula um elemento essencial para o funcionamento da sociedade, que é a circulação de informações. Sem a livre troca de ideias, a democracia não funciona. Nem a ciência, a inovação, o desenvolvimento tecnológico e, por conseguinte, o avanço econômico. Isso para não mencionar as artes.

Exageros, bobagens e ofensas são o preço que precisamos pagar para ter uma sociedade aberta. O que há de novo aqui é que, em tempos de internet, tantos os benefícios quanto os ônus da liberdade de expressão ganham escala exponencial.

Fonte: Hélio Schwartsman, "O preço do almoço", Folha de S. Paulo, Opinião, 26/9/12, p. 2.

| | 0 comentários

Natureza (morta)

Uma semente jogada no chão:



Flagrante feito no final da tarde do último domingo (23/9) no Parque Cidade.

| | 0 comentários

O ser humano

- (...) Mas será que você não está sendo meio ingênuo? Sabe, afirmando que não quer nada das pessoas? Que não tem um motivo oculto? Todos têm um. Mostre a pessoa e as circunstâncias e eu indicarei o motivo. Até os santos têm: para se sentir mais santos, na certa.
- Um pensamento bastante cínico.
- Realista.
- É o que os cínicos sempre dizem. (...)
Tom Rachman, “Os imperfeccionistas” (p. 166)

terça-feira, 25 de setembro de 2012 | | 0 comentários

A voz dos astros

Veja o que o horóscopo (por Quiroga) me recomenda para esta quarta-feira:

“Sempre haverá motivo de discórdia, porém, também haverá razões para a concórdia. Faça com que as razões da concórdia prevaleçam neste momento, pois é propício colocar relacionamentos no bom caminho.”

Ah, horóscopos...

PS: antes que alguém pense que eu leio porque acredito, vejo às vezes quando, navegando pela Internet, eles saltam aos olhos. Quando isto ocorre, leio para me divertir (embora às vezes eles me passem a impressão de ter razão...).

| | 0 comentários

Joia restaurada e reaberta

Postei esta semana as fotos que fiz do Palacete Levy e do Casarão, prédios históricos localizados no Largo Boa Morte, no Centro de Limeira, após obras de restauração. Pois exatamente no dia em que fiz a postagem, um dos prédios foi reaberto ao público. 

Veja como ficou na reportagem de Gustavo Nolasco, feita para o “Jornal da Cidade”, da TV Jornal (segunda a sábado, 19h30):

| | 0 comentários

Entrevista - relembrando (1)

A seguir, trechos da entrevista concedida a Ana Paula Rosa para o blog “De olho no Jornal”, em 2010.

De olho no Jornal: Como foi o início da sua carreira? Foi difícil chegar onde está hoje?
Rodrigo: Comecei em jornal impresso ainda antes de sair da faculdade. Eu tinha feito estágio em um jornal da cidade de Limeira e quando estava no último semestre da faculdade voltei para Limeira, pois eu fiz faculdade fora, e então surgiu oportunidade naquele mesmo jornal que eu tinha feito estágio. Todo mundo já me conhecia e entrei. Comecei como auxiliar de redação e então virei repórter, depois ajudei no fechamento, virei editor chefe, saí e agora estou aqui na TV.

De olho no Jornal: Nesse tempo de atuação, qual o fato que mais marcou sua vida profissional?
Rodrigo: Precisaria pensar, pois tiveram várias coisas. Mas acho que foi uma CPI que teve em Limeira uma vez, que foi chamada “CPI do Asfalto”, que investigava denúncias de irregularidades em contratos de asfaltamento da prefeitura e houve denúncias de corrupção e etc, e eu consegui as fitas com as gravações das conversas e isso teve grande repercussão na época.

De olho no Jornal: Como vocês lidam com as notícias de última hora? É muita “correria”?
Rodrigo: Muita correria. Em jornal isso é um pouco mais fácil, porque basta um telefonema que você resolve, tendo as informações você escreve e publica. Na televisão isso é mais complicado, é preciso ter imagem, uma entrevista sobre aquele assunto, portanto, invariavelmente as notícias de última hora são dadas de modo que o repórter vai para frente da câmera e relata o que está acontecendo, afinal, muitas vezes quando a notícia é extremamente de última hora não dá tempo de pegar imagem, fazer entrevistas e etc. Mas é uma correria sempre. Agora, só pra frisar, nesses casos eu adoto uma postura que eu acho muito importante que é: você só divulga aquilo que você possui absoluta certeza, aquilo que você apurou. É muito comum nessas ocasiões chegarem informações truncadas, chegar uma boataria, chegar um “parece que” e “parece que” não é notícia. Então eu só divulgo o que eu efetivamente apurei, ainda que seja menos do que as outras pessoas estejam falando. Nesse caso eu uso a teoria de que menos é mais.

De olho no Jornal: Com toda essa rotina de trabalho, quanto tempo sobra para a família e diversão?
Rodrigo: Um dos motivos para eu sair do meu outro emprego, o do jornal, foi esse (risos). Não tinha rotina. Não existia tempo pra rotina. Era o domingo quando não tinha nenhum evento especial no domingo. Mas durante a semana, esquece! Na televisão eu consigo controlar mais isso, as pessoas conseguem controlar mais isso. Mas a produção de jornal é efetivamente 24 horas, você começa a fazer às sete da manhã e você vai terminar a edição e a parte de produção 0 hora, 1 hora. Então esquece. Não tem família, não tem aniversário de primo, não tem casamento, não tem festinha de amigo, não tem nada disso.

De olho no Jornal: Acredita que a não obrigatoriedade do diploma do curso de Jornalismo afeta muito no mercado? O que pensa sobre essa decisão do Supremo Tribunal Federal?
Rodrigo: Sou contra a decisão. Ponto! Acho que o argumento foi muito fraco, em minha opinião. Alegar que o diploma impede que as pessoas manifestem sua opinião é um absurdo. Eu nunca vi, pelo menos na fase democrática do Brasil, qualquer veículo de imprensa impedir a opinião de qualquer um de ser manifestada. Qualquer pessoa tem liberdade para se manifestar. A questão do diploma envolve técnicas jornalísticas que são muito diferentes da simples liberdade de opinião, pois não é qualquer pessoa que saiba falar ou escrever que consegue fazer as apurações jornalísticas para uma matéria jornalística. Então, para mim, dizer que não há tecnicidade no trabalho do jornalista é desconhecer a profissão. Sou contra a decisão e a favor do diploma, mas acredito que o mercado acaba selecionando e as grandes empresas vão continuar contratando profissionais das faculdades de comunicação. O que pode acontecer é que empresas menores, do interior, possibilitem algumas pessoas como aquele “coleguinha” que escreve bem, ou que fala na rádio de acabar entrando também. Mas o mercado vai se encarregar de separar os jornalistas de verdade dos que estão se aventurando na área.

De olho no Jornal: Qual área do jornalismo mais te atraía antes de começar a trabalhar de fato na área?
Rodrigo: Por incrível que pareça sempre gostei de televisão. Comecei a trabalhar com jornal porque, enfim, foi a porta que me abriu e me apaixonei. Adoro jornal e acho que todo jornalista devia passar pelo jornal impresso. Acredito que devia ter um estágio obrigatório, assim como os médicos precisam fazer a residência em hospitais, acho que devia ser obrigatório que todos os jornalistas ficassem pelo menos seis meses, ainda durante a faculdade, em um veículo impresso. O jornal é, para mim, a melhor escola de um jornalista. Mas hoje que eu estou na televisão voltei a me apaixonar por uma paixão antiga. Dizem que paixão antiga a gente nunca esquece, não é? Então, hoje eu estou apaixonado pela televisão.

De olho no Jornal: Para o senhor, o que é Jornalismo e o qual sua importância?
Rodrigo: Eu nunca gostei muito dessas definições como: o que é jornalismo. Prefiro dizer a importância do Jornalismo para a sociedade. Para mim, o jornalista tem alguns papéis que são essenciais para a vida democrática de qualquer país que são: intermediar o contato entre o poder público e a sociedade; servir de canal para a sociedade manifestar seus desejos, seus problemas, suas críticas; servir de fonte de cidadania e também servir de meio de fiscalização do poder público. Considero esses quatro pilares sagrados para o Jornalismo e estes fazem da profissão algo nobre, não mais nobre que as outras, mas tanto quanto outras. Jornalismo é também muito importante, diria essencial, para uma sociedade democrática, afinal, você pode ter um país e ter uma democracia sem médico, por exemplo, mas não pode ter uma democracia sem uma imprensa livre.

* Para ler na íntegra, clique aqui.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Os sons de uma cidade



Tá, Nova Orleans emana blues e jazz, mas isto é coisa para turista. Não foi tão fácil assim encontrar estes ritmos por lá não - bom, pelo menos não para mim, mas eu os encontrei. E curti pra c.!

Quer conferir? Vá até o blog
Piscitas - Travel & Fun.

Em tempo: as fotos foram feitas no aeroporto da cidade.

| | 0 comentários

Frase

"Take me or leave it."
Carlos Amastha, candidato a prefeito de Palmas (TO) pelo PP

| | 0 comentários

Mantra

Às vezes eu falo com a vida,
Às vezes é ela quem diz:
"Qual a paz que eu não quero conservar,
Pra tentar ser feliz?"

("Minha Alma [A Paz Que Eu Nao Quero]", de Marcelo Yuka)

| | 0 comentários

Os amigos

- Você não era meu inquilino, era meu amigo. Não me devia nada.
Jimmy sorri.
- Você tem um ponto de vista maluco em certos aspectos, Sr. Herman Cohen.
(...)
Enquanto Herman o escuta, visualiza essa vida do amigo acabado. Ao contrário do que sempre acreditou, os dois não são gradações do mesmo homem, ele a versão medíocre, o amigo, a superlativa. São pessoas totalmente diferentes (...).
Os dois se despedem antes de Jimmy passar pela segurança, e Herman se dirige à saída, mas para em frente às portas automáticas. Talvez Jimmy precise dele para algo. E se houver um problema?
Tom Rachman, em “Os imperfeccionistas” (p. 137)

| | 0 comentários

Joias da cidade restauradas

O Largo Boa Morte, no Centro de Limeira, está mais bonito e iluminado. Tudo em razão da restauração de dois prédios de bela arquitetura e uma rica história: o Palacete Levy e o Casarão. As obras foram concluídas recentemente (os imóveis ainda estão fechados).

O palacete é público e sediava a Secretaria da Cultura até ser fechado para a obra. O casarão é particular e ainda não se sabe qual destino terá.

O fato é que os dois prédios deram àquela área um brilho todo especial. São belos exemplares da arquitetura e da sociedade do século 19.

O registro mais antigo do casarão data de 1870, quando ele pertencia a Ezequiel de Paula Ramos, então senador e proprietário da imperial Fazenda Morro Azul. Comenta-se que o imperador dom Pedro 2° esteve no dito casarão durante sua passagem por Limeira.




O palacete foi construído pela família Barros e passou para os Levy posteriormente. Foi assim que ele ficou conhecido ao longo das décadas. Foi adquirido pelo município nos anos 1990.




As duas restaurações mostram que, quando o Poder Público e a iniciativa privada investem na preservação da história e da memória, a cidade fica mais bonita e todos ganham.

domingo, 23 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Direto do toca-CD (12)

La vita è adesso,
Nel vecchio albergo
Della terra e ognuno in una
Stanza e in storia di mattini piú legerri e cieli
Smarginati di speranza e di silenzi da ascoltare
E ti sorprenderai a cantare ma,
Non sai perché

La vita è adesso
Nei pomeriggi appena freschi
Che ti viene sonno e le campane
Girano le nuvole e piove
Sui capelli e sopra i tavolini
Dei caffè all'aperto
E ti domandi incerto chi sei tu

Sei tu, sei tu, sei tu,

Sei tu che spingi avanti il cuore, ed il lavoro duro
Si essere uomo e non sapere, cosa sarà il futuro
Sei tu, nel tempo che ci fa più grandi e soli in mezzo al mondo
Con l'ansia di cercare insieme, un bene più profondo

E un altro che ti dia respiro e che si curvi verso te
Con una attesa di volersi di più senza capire cos'è
E tu che mi ricambi gli occhi in questo instante immenso
Sopra il rumore della gente, dimmi se questo ha un senso

La vita è adesso
Nell'aria tenera
Di un dopocena e musi
Di bambini contro i vetri e i prati che si lisciano
Come gattini e stelle che si appicciano ai lampioni millioni
Mentre ti chiederai dove sei tu,

Sei tu, sei tu, sei tu

Sei tu che porterai il tuo amore per cento e mille strade
Perchè non c'è mai fine al viaggio anche se un sogno cade
Sei tu che hai un vento nuovo tra le braccia
Mentre mi vieni incontro
E impanerai che per morire ti basterà un tramonto

In una gioia che fa male di più della malinconia
E in qualunque sera ti troverai non ti buttare via
E non lasciare andare un giorno per ritovar te stesso
Figlio di un cielo così bello perché la vita è adesso

("La Vita È Adesso", de Claudio Baglioni)

| | 0 comentários

Uma pergunta aos prefeituráveis

Para votar no próximo dia 7, gostaria muito que os candidatos a prefeito de Limeira respondessem a uma única pergunta:

- Como acreditar nas promessas de transparência e honestidade (e, como consequência, nas outras promessas) se as prestações de contas de campanha apresentadas até agora parecem peça de ficção?

Quem (candidato) se habilita a responder?

sexta-feira, 21 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Jornalismo on-line: a cassação de Quintal

Confira no blog “Limeira 2012” a cobertura completa sobre a cassação - em primeira instância - da candidatura de Lusenrique Quintal (PSD) à Prefeitura de Limeira:



| | 0 comentários

Um clássico para saudar a chuva

Uma homenagem à chegada da primavera (que começa às 11h44 deste sábado, 22/9):



(Ah, homenagem também à despedida do inverno, afinal a chuva chegou mesmo no último dia da estação mais fria do ano.)

| | 0 comentários

Computadores, celulares e o futuro da mídia

Cresceu 40% a presença de computadores com acesso à Internet nos lares brasileiros entre 2009 e 2011. Bem mais do que o crescimento dos televisores (6%). Quase a metade dos pré-adolescentes e adolescentes (de 10 a 14 anos) tem celular. São 42%. Se ampliar a faixa etária para até 17 anos, o índice sobe para 67%. Os dados são da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2011, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os números em si não trazem nenhuma surpresa. E é aí que reside a questão. Com a expansão da classe média, o Brasil aos poucos vai se aproximando da realidade dos países desenvolvidos, onde os equipamentos portáteis ganham espaço como principal fonte de informação. Esta é a tendência nos Estados Unidos, por exemplo, conforme ouvi de um diretor da CNN em abril.

Para a imprensa, esta rápida mudança traz sérias conseqüências. A influência da televisão, medida pelo chamado “share” (a quantidade de aparelhos ligados) está caindo. A juventude em geral prefere se informar e se divertir pela Internet. Jornais e revistas também já sentem os efeitos dos “novos tempos”.

Esta transição do modo antigo para algo que ainda é um mistério desperta tensões e atenções há pelo menos uma década. A receita para o futuro é incerta – ouvi isto numa palestra com os jornalistas Lourival Sant´Anna e Álvaro Pereira Júnior num seminário da Abraji (Associação Brasileiro de Jornalismo Investigativo) em 2007. Ambos disseram algo do tipo: “ninguém sabe ao certo para onde isto vai, só sabemos que precisamos estar lá (na Internet)”.

Há três meses, iniciei com o jornalista Carlos Giannoni de Araujo uma experiência inédita para mim: fazer jornalismo exclusivamente para a Internet. Montamos despretensiosamente um blog – o “Limeira 2012” – para acompanhar as eleições municipais.

Ainda é cedo para uma avaliação mais profunda, o que pretendo fazer após a eleição. Já posso adiantar, porém, que do ponto de vista do trabalho, com todas as restrições que encontramos (de tempo e recursos, por exemplo), a experiência tem se revelado interessante e enriquecedora. Naturalmente, a repercussão ainda é restrita (estamos falando de um trabalho diferente que mal fez três meses), mas a audiência não é a preocupação prioritária do projeto. Queremos mesmo testar o formato.

Como profissional da comunicação, nunca aderi ao ramo dos apocalípticos (no sentido introduzido pela Escola de Frankfurt). Tampouco sou militante dos integrados. Acredito que a forma de se comunicar sofrerá (ou melhor, já vem sofrendo) uma revolução. A revolução digital em suas mais variadas versões (já houve a 2.0 e agora já se fala em 3.0).

A comunicação, porém, vai resistir.

Sempre haverá boas histórias para serem contadas. Sempre haverá gente disposta a ouvi-las (ou lê-las). O desafio que se apresenta, portanto, é encontrar a melhor e mais eficiente forma de contar estas histórias.

Concluir isto é óbvio, eu sei. Mais que isso seria futurologia. Se ela não é uma ciência exata, também não pode ser desprezada. Tentar adivinhar o futuro gera debates e é a partir delas que se encontra um possível caminho.

A discussão está lançada. Você se arrisca a prever o futuro da mídia?

quinta-feira, 20 de setembro de 2012 | | 0 comentários

80 anos de uma imagem

Uma das imagens mais icônicas – impressionantes e angustiantes – de Nova York (EUA) está fez 80 anos nesta quinta-feira (20/9). Ela mostra, como se vê abaixo, um grupo de 11 trabalhadores durante o almoço na construção de um dos edifícios mais famosos de Manhattan, o GE Building (ex-RCA Building), parte do Rockefeller Center.

Os trabalhadores estão no 69° andar.


A foto – atribuída ao fotógrafo Charles C. Ebbets – é intitulada “Almoço no topo de um arranha-céu”. Feita em 20 de setembro de 192, foi publicada inicialmente no “New York Herald Tribune”, em 2 de outubro daquele ano.

Segundo postagem do “Virgula”, do UOL, embora a imagem seja real, foi produzida comoação de marketing em prol do edifício.

O negativo da foto, de vidro, foi quebrado em 1996. Atualmente, ele está sob guarda da agência Corbis. Fica numa espécie de “bunker” no estado da Pennsylvania junto de outras imagens históricas. O lugar é chamado de “Montanha de Ferro”.


* A foto postada aqui foi copiada do G1 e estava creditada para Reuters/Charles C. Ebbets/Corbis

| | 0 comentários

"Analfabetismo histórico"

O movimento negro, bem como outros grupos que tentam reduzir os níveis de intolerância na sociedade, tem toda a minha simpatia. Isso dito, é ridículo o que estão tentando fazer com Monteiro Lobato. Se a iniciativa legal, que já chegou ao Supremo, prosperar, o autor poderá ter parte de sua obra banida das bibliotecas escolares.

Não há a menor dúvida de que Lobato se utiliza de expressões que hoje soam rematadamente racistas, como o termo "macaca de carvão", para referir-se à Tia Nastácia. A questão é que estamos falando de escritos dos anos 30, época em que quase todo mundo era racista. E, se há um pecado mortal na crítica literária e na análise histórica, é o de interpretar o passado com os olhos de hoje.

"Não sou nem nunca fui favorável a promover a igualdade social e política das raças branca e negra... há uma diferença física entre as raças que, acredito, sempre as impedirá de viver juntas como iguais em termos sociais e políticos. E eu, como qualquer outro homem, sou a favor de que os brancos mantenham a posição de superioridade."

Odioso, certo? Também acho. Mas, antes de condenar o autor da frase ao inferno da intolerância, convém registrar que ela foi proferida por Abraham Lincoln, o presidente dos EUA que travou uma guerra civil para libertar os negros da escravidão.

E Lincoln não é um caso isolado. Encontramos pérolas racistas em ditos de Gandhi e Che Guevara. Shakespeare traz passagens escancaradamente antissemitas, Eurípides era um misógino e Aristóteles defendia com empenho a escravidão. Vamos banir toda essa gente das bibliotecas escolares?

A verdade é que todos somos prisioneiros da mentalidade de nossa época. Há sempre um horizonte de possibilidades morais além do qual não conseguimos enxergar. Aplicar critérios contemporâneos para julgar o passado é uma manifestação de analfabetismo histórico.

Fonte: Hélio Schwartsman, "Folha de S. Paulo", Opinião, 19/9/12, p. 2.

| | 0 comentários

Mais um capítulo da CPI


Matéria feita para o “Jornal da Cidade”, da TV Jornal de Limeira, exibida em 19/9/12.

Em tempo: por que todas as pessoas citadas estão fugindo da CPI?

quarta-feira, 19 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Direto do toca-CD (11)

Here I am 
In a place that I have never been 
Out of love 
And afraid that you won't let me in 

You came to me 
And I started to feel 
That my senses had left me to die 
Where is my strength 
When I need it the most 
Tell me what have you done 
With my mind 

Save me now 
From the depth of my infatuation 
I could drown 
In the sea of love and isolation 
I'll take you down if you just 
Save me now 

All the time 
That I gave away I'll give it to you 
And all the love 
That I never made I'll make it to you 

Nothing could be more electric to me 
Than to give you a taste 
Of the love that I hide 
But in my condition I'm totally lost 
Tell me what have you done with my pride

("Save Me Now", de Andru Donalds)

terça-feira, 18 de setembro de 2012 | | 0 comentários

Você acredita em quem faz propaganda ilegal?

O cidadão se candidata a um cargo eletivo, de vereador. Ou seja, quer representar o povo na Casa de Leis. Terá como função propor leis e fiscalizar o Executivo. Deve dar o exemplo. E aí, já na campanha eleitoral, desrespeita as regras, quer levar vantagem, ignora a lei.

Você votaria num candidato assim?

É só dar um giro pela cidade (não precisa gastar muita sola de sapato ou gasolina) e verá uma série de irregularidades nas propagandas dos candidatos.

Se quiser dar uma olhada, basta acessar o blog "Limeira 2012".

| | 0 comentários

Reencontro com os pandas

Aproveitando a notícia do nascimento de um urso panda no Zoológico Nacional de Washington D.C., eis os moradores do local fotografados durante visita em abril deste ano.



Eu já os conhecia de uma visita anterior. Como estava com cerca de uma hora livre até uma atividade agendada, sugeri ao amigo que me acompanhava corrermos até o zoológico. Minha finalidade era mostrar-lhe o máximo possível, mas principalmente os pandas.

Pois o tempo foi suficiente só para isso mesmo, ver os famosos ursos. 

Se valeu a pena tanta correria, só ele poderá responder. Na ocasião, ele disse que "sim". Para mim, valeu.

Que tal responder aqui, em público também: afinal, valeu a pena?

***

Quando vi os pandas na primeira vista, em 2007, fiquei emocionado. É um animal tão raro para nós, brasileiros, que vê-los assim de perto provoca uma curiosidade e uma emoção realmente incomuns.

Belos animais, parecem feitos de pelúcia - e são ursos!

Em abril último, os pandas estavam em locais reservados, não no espaço montado para eles no zoológico, que reproduz o habitat da espécie. Acredito que isto se deva à inseminação artificial, feita exatamente no mês em que lá estive.

Em tempo: não lembro exatamente o valor, mas o Zoológico de Washington D.C. pagou milhões (acho que US$ 10 milhões) pelo empréstimo de dois pandas gigantes da China.

PS: para ver os pandas ao vivo, clique aqui.

* As fotos são de Carlos Giannoni de Araujo

segunda-feira, 17 de setembro de 2012 | | 0 comentários

O que Limeira ganha com o rodeio?

Gostaria de saber, afinal, o que Limeira ganha com a festa do peão, agora renomeada de rodeio.

Não se trata de nenhum comentário crítico por preconceito, é apenas uma curiosidade, um questionamento mesmo. Quanto a festa rende de impostos aos cofres públicos? O município gasta algo com o evento, ainda que na infraestrutura indireta? Se sim, quanto?

A população tem direito de saber as respostas.

Trata-se, como todos sabem, de um evento estritamente particular, pertencente a duas ou três pessoas, que assumem os riscos e ficam com os eventuais lucros.

Nada contra este princípio, mas é forçoso reconhecer que a festa está ficando elitizada (portanto, já não é mais popular) e traz efeitos colaterais para o setor de entretenimento e lazer.

Durante dois finais de semana, é visível como os bares e afins ficam esvaziados em razão do rodeio. Isto significa prejuízo para os empresários e também menor arrecadação de impostos para o município.

Estamos falando de dois finais de semana (período de maior receita para o setor) em um mês!

E não é só: embora elitizado, o rodeio atrai populares. O problema é que estes gastam o que não possuem para comprar ingressos que chegam a R$ 260 (fora estacionamento, etc). Resultado: as pessoas comprometem o orçamento mensal por causa de um ou dois dias na festa do peão.

Para quem acha exagero, saiba que eu conheço duas pessoas – um amigo e um colega de trabalho – que disseram nos últimos dias que não podiam sair mais este mês “porque já gastaram demais com o rodeio”.

E estou falando só do meu caso, quantos outros devem ter ouvido algo semelhante?

O mesmo foi dito pelo dono de um bar em Limeira nesta segunda-feira (17/9) numa conversa informal. Quando questionei os eventuais benefícios do rodeio, ele emendou: “não são só dois finais de semana, é o mês todo comprometido porque as pessoas gastam todo o dinheiro na festa e deixam de sair”.

Somado um problema ao outro, conclui-se que setembro (mês em que tradicionalmente ocorre o rodeio) é uma dor-de-cabeça para os empresários do setor de lazer.

Prejuízo para eles e também para os cofres municipais, que deixam de arrecadar em razão do movimento abaixo do possível nos bares e afins.

Por isso, é mais do que justo querer saber o que Limeira ganha com o rodeio.

Nada contra a festa tampouco contra seus organizadores, mas como cidadão me vejo no dever de levantar tal questionamento.

Em tempo: algum candidato a prefeito se arrisca a fazer o mesmo, questionar?

PS: ainda que eventualmente o rodeio renda muito para a prefeitura, há que se pensar em alternativas, pois quem gera emprego e renda durante todo o ano não merece ficar às mínguas durante um mês.

***

Aliás, ao tratar sobre lazer, nenhum candidato até o momento fez referência à chamada Lei do Fecha Bar (lei 3.626/03, complementada pela lei 4.078/06). Ela veta a abertura de bares, restaurantes e similares após 22h (ou 23h durante o horário de verão) se não possuírem um alvará especial.

O blog sabe de estabelecimentos instalados recentemente numa das principais áreas de lazer da cidade, a Avenida Saudades, que estão ameaçados de fechar justamente em razão da tal lei.

Um comerciante da área contou ao blog que está deixando de investir porque não consegue o tal alvará. Acontece que um bar vizinho possui a licença porque estava na avenida antes da vigência da lei. Isto numa avenida que se transformou em polo de lazer e entretenimento, concentrando a vida noturna da cidade com bares, pizzaria, boate e restaurante.

Ou seja: não dá para tratar de lazer em Limeira sem discutir essa lei.

Leia também:

| | 0 comentários

Em velocidade

Um flagrante noturno em Atlanta (EUA) perto de uma unidade do The Cheesecake Factory (uhmmmm!!!):


Leia também:

- O destino me levou a Atlanta

| | 0 comentários

Maquiavel, o PT e o "mensalão"

Então Lula sabia do “mensalão” desde sempre (e não somente após o suposto alerta do então deputado Roberto Jefferson, do PTB-SP)?

Então o ex-presidente era “líder do esquema”, como teria revelado a amigos o publicitário Marcos Valério, já condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no julgamento em andamento do chamado “mensalão”, segundo reportagem da revista “Veja”?

Independentemente destas respostas, acredito que o PT deve um mea-culpa à nação. Para expressar meu pensamento, reproduzo trecho da coluna do jornalista Carlos Heitor Cony, "O PT e suas entranhas", publicada na “Folha de S. Paulo” de domingo (16/9):

“Não tenho nada contra o PT nem contra qualquer outro partido. Tinha até mesmo alguma simpatia pela imagem que ele criara, pelas intenções e posições que tomava, sob a liderança de um homem excepcional como Lula. No entanto é com certo pesar que vejo a sua lenta, mas progressiva deterioração política e moral - que, de alguma forma, afetará o seu patrimônio eleitoral.

Não há dúvida de que o partido ficou seriamente comprometido com o mensalão. Independentemente da decisão final do Supremo, suas entranhas ficaram escancaradas, revelando que em nada se difere dos demais partidos.

Como se não bastassem os recursos ilícitos que empregava para se manter e ajudar seus aliados, dona Dilma deu agora mais uma demonstração de que o PT se utiliza do poder para obter vantagens que, embora lícitas do ponto de vista administrativo, resvalam no mais escrachado fisiologismo.”

Incrível é constatar que petistas que até ontem espinafravam os que recorriam a práticas não-republicanas para conquistar o poder defenderem hoje tais práticas (ainda que não ilegais, porém imorais, como a aliança com os ex-presidentes e agora senadores José Sarney, do PMDB-AL, e Fernando Collor de Melo, do PTB-AL).

De um culto membro do PT limeirense, ouvi recentemente algo do tipo: “se o partido não apoiasse Sarney, a Dilma (Rousseff) não teria sido eleita”.

Então vale tudo pelo poder?

“O objetivo de qualquer partido é conquistar o poder”, respondeu.

Por trás deste pensamento está o princípio de que, no caso do PT, o “vale-tudo” se justifica porque a ideologia do partido seria a melhor, a mais justa e visaria melhorar a vida do cidadão.

Ora, não é o mesmo princípio que os partidos e governos extremistas – de esquerda e de direita – adotaram ao longo da história?

Então porque o PSDB fez uso antes do tal esquema do “mensalão” em Minas Gerais, os demais partidos (PT incluído) têm direito de adotar a mesma prática (ainda mais se for por uma “boa causa”)?

Ah, Maquiavel...

Em tempo: esta postagem terá continuação, pois já programei uma entrevista com o colega petista.

PS: para quem, como eu, achou um tanto estranha a denúncia publicada pela “Veja”, há um indício de veracidade na postagem “A quarta cópia”, escrita pelo jornalista Ricardo Noblat em seu blog nesta segunda-feira (17/9).

| | 0 comentários

Música no jardim do Prada

Assisti neste final de semana a dois espetáculos interessantes em comemoração ao aniversário de Limeira. Ambos ocorreram no belo jardim do Edifício Prada, a sede do Poder Executivo limeirense. Um prédio histórico, de arquitetura magnífica. O local ganhou uma iluminação especial, que conferiu a ele um bonito colorido.







No sábado à noite, a Orquestra Sinfônica de Limeira deu mais um show com um repertório eclético, que começou com Villa-Lobos e terminou com Tom Jobim, passando por bolero e tango. 

No domingo à noite, foi a vez da Banda Marcial dos Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil, um grupo que mistura o rigor militar à história do país - as gaitas de fole, por exemplo, presentes da rainha da Inglaterra ao Brasil, são um show à parte.

A banda - que já se fazia presente na cerimônia de abertura dos portos às nações amigas, em 1808 (ato que mudou a história do Brasil em definitivo) - executou dobrados históricos, uma canção celta e clássicos da música brasileira, como "Asa Branca". Também improvisou um "Parabéns a Você" para Limeira. Sempre misturando música à coreografia (que, num dado momento, chegou a simular a formação das embarcações da Marinha brasileira).

Para quem perdeu, seguem alguns vídeos:

video

video

video

Como estamos em período eleitoral, deixo um apelo ao próximo prefeito de Limeira: abra - como ato simbólico de um novo tempo após tudo o que a cidade viveu nos últimos meses com a cassação do chefe do Executivo - o jardim do Prada para a população. O espaço é muito bonito para ficar fechado ao povo.

Nas grandes cidades mundiais, praças e jardins (inclusive em frente a sedes de poderes) ficam à disposição da comunidade como espaços públicos que são. Para casais namorarem, pais brincarem com os filhos, amigos baterem papo, trabalhadores relaxarem, famílias fazerem piquenique, estudantes lerem, enfim... Pisando na grama e tudo. É exemplo de democracia e liberdade.